Sharing is caring!

"Abrindo as Janelas dos Céus"

“’Fazei prova de mim nisso’, diz o Senhor dos Exércitos,
se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar
sobre vós uma benção tal até que não haja
lugar suficiente para a recolherdes”
— Malaquias 3:10 

WM-Portuguese-cover

Essa é uma afirmação extremamente poderosa da parte de Deus. Em nenhum outro lugar nas Escrituras Deus nos diz para testá-Lo, exceto aqui nesse versículo. O que é isso que Deus diz que O fará abrir as janelas do céu e derramar Sua bênção sobre nós a ponto de transbordar? 

“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa, e depois fazei prova de Mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.” (Malaquias 3:10) 

Você vê? É o dízimo. Dizimar fará com que o Senhor abra as janelas do céu e Suas bênçãos chovam sobre sua vida! 

Muitos Cristãos se esquivam de aprender tudo que podem a respeito desse importante princípio, mas, por favor, não perca essa chance! Deus quer que nós sejamos fiéis e obedientes em todas as coisas, e quando negligenciamos ou escolhemos ser desobedientes em uma área das nossas vidas, isso afetará as outras áreas também. 

O que exatamente é o dízimo? É devolver ao Senhor dez por cento das primícias de sua renda. 

Nossa sociedade, como um todo, é ignorante desse princípio. Muitas igrejas falham com seus membros, negligenciando em ensiná-los sobre a importância do dízimo. Por que isso é tão sério? Porque Deus se ira quando falhamos em devolver a Ele o que Lhe pertence por direito. “Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem.” (Salmos 24:1). Dizimar é um ato de adoração. 

Há uma grande quantidade de Cristãos que, ou estão vivendo na miséria, ou estão tão endividados quanto os descrentes. Mas Deus deseja fazer de cada crente “a cabeça e não a cauda”. Ele quer que você esteja “acima” e não “embaixo” de dívidas ou qualquer outra coisa que irá governar ou controlar a sua vida. (Deuteronômio 28:13). Nos foi dito “Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros...” (Romanos 13:8). “O rico domina sobre o pobre; quem toma emprestado é escravo de quem empresta.” (Provérbios 22:7) 

A maioria dos Cristãos nos Estados Unidos é tão ricamente abençoada, especialmente se olharmos para outras nações e o nível de pobreza em que a maioria das pessoas no mundo vive. Nós gastamos nossos ganhos em prazeres enquanto nossas igrejas, missionários e ministérios lutam para conseguir sobreviver. Por quê? Porque tentamos reter aquilo que não é nosso por direito. 

Nós recebemos, mas doamos pouco. “Lembrem-se: aquele que semeia pouco também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura também colherá fartamente. Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.” (2 Coríntios 9:6-7). 

Nós pedimos e ficamos imaginando por que não recebemos. “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.” (Tiago 4:3). 

Deus queria abençoar Seu povo, mas Ele não o fez porque não estavam dispostos a doar para a Sua casa do tesouro. Ele lhes disse em Ageu 1:6-7, “Vocês têm plantado muito, e colhido pouco. Vocês comem, mas não se fartam. Bebem, mas não se satisfazem. Vestem-se, mas não se aquecem. Aquele que recebe salário, recebe-o para colocá- lo numa bolsa furada. Assim diz o Senhor dos Exércitos: “Vejam aonde os seus caminhos os levaram!””. 

“’Vocês esperavam muito, mas, eis que veio pouco. E o que vocês trouxeram para casa eu dissipei com um sopro. E por que o fiz?’, pergunta o Senhor dos Exércitos. ‘Por causa do meu templo, que ainda está destruído enquanto cada um de vocês se ocupa com a sua própria casa.’” (Ageu 1:9). 

Compreendendo o Dízimo 

É irônico que tantos Cristãos acreditem erroneamente que não têm condições de dizimar e abençoar a Deus através de ofertas. A verdade é que eles estão simplesmente presos em um círculo vicioso que só obediência e fé podem curar. Eles não têm condições de doar porque roubam a Deus para pagar aos homens, e assim roubam de si mesmos as suas bênçãos! 

Na realidade, quando estamos em profunda miséria é que o Senhor nos pede para doarmos. Os Cristãos da Macedônia compreendiam e aplicavam esse princípio de doar: “No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade.” (2 Coríntios 8:2). Parece um pouco com muitos de nós, não? 

Por que 10%? 

A palavra dízimo em hebraico é “ma’asrah”, que se traduz como “um décimo”. Então todas as vezes em que Deus fala conosco em Sua Palavra e diz para “dizimarmos”, Ele está dizendo para darmos a Ele um décimo. 

Por que eu devo dar meu dízimo primeiro, antes de pagar as minhas contas? 

Esse é o princípio dos “primeiros frutos” do nosso labor. Deuteronômio 18:4 nos diz, “Vocês terão que dar-lhes as primícias do trigo, do vinho e do azeite, e a primeira lã da tosquia das ovelhas.”. Em Êxodo 34:24 e 26, Deus diz, “Expulsarei nações de diante de você e ampliarei o seu território... Traga o melhor dos primeiros frutos da terra ao santuário do Senhor, o seu Deus...”. 

Isso também é confirmado no Novo Testamento quando Jesus disse em Mateus 6:33, “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.” 

Onde eu devo dar o dízimo? 

Malaquias 3:10 nos diz, “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa, e depois fazei prova de Mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.” 

Sua casa do tesouro é onde você é espiritualmente alimentado. Muitos Cristãos cometem o erro de doar onde eles não são espiritualmente alimentados, mas preferem doar onde eles veem que há uma necessidade – mas isso é loucura. É como ir a um restaurante, pedir uma refeição, mas quando chega a conta você diz ao atendente que prefere doar para o restaurante no fim da rua que não está indo muito bem! 

Se você está frequentando uma igreja onde está sendo espiritualmente alimentado, então você deveria estar dizimando, no mínimo, um décimo de sua renda para a sua igreja local. Isso significa que se você frequenta uma igreja e se sente guiado a semear financeiramente em nosso ministério (ou qualquer outro ministério ou missão), então essa seria uma oferta “acima e além” do seu dízimo. Não queremos que você roube da sua igreja para semear em nosso ministério “pois isso não seria proveitoso para vocês.” (Hebreus 13:17). 

No entanto, muitos dos membros de nossa irmandade não estão frequentando uma igreja (por várias razões) e estão sendo nutridos através do dízimo do nosso ministério, por estarem semeando na restauração de casamentos, já que é aqui que eles estão sendo espiritualmente alimentados. 

Novamente, como estamos te encorajando ao longo de todo esse livro – busque a Deus. Isso vale para todas as coisas, inclusive suas finanças. E então seja obediente e fiel a Ele

Não cometa o erro de seguir diligentemente todos os princípios para restaurar seu casamento e ainda assim falhar no do dízimo, e, no final, ver seu casamento não restaurado porque você está roubando a Deus. 

Lembre-se, Malaquias 3:8-9 diz, “Roubará o homem a Deus? Contudo vocês estão me roubando. E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos? ’ Nos dízimos e nas ofertas. Vocês estão debaixo de grande maldição porque estão me roubando; a nação toda está me roubando.” 

Mas desde que não estou debaixo da lei e vivo pela graça, 10% não é mais requerido, é? 

A graça de Deus garante dar mais, não menos. Quando experimentamos o Seu perdão, Sua misericórdia, Sua compaixão e o Seu sacrifício do Seu sangue derramado pelo qual nos tornamos participantes de Sua glória, aumenta nosso desejo de dar mais, certamente não menos. 

“...Vocês receberam de graça; deem também de graça.” (Mateus 10:8) 

“Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará com ele, e de graça, todas as coisas?” (Romanos 8:32) Entretanto, “...aquele que semeia pouco também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura também colherá fartamente.” (2 Coríntios 9:6) 

Mas se temos uma mente dobre e não acreditamos realmente que Deus proverá para nós, “não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa”. Quando nos agarramos ao que temos para tentar cuidar de nós mesmos, nunca veremos o maravilhoso poder de Deus a nosso favor. 

O desejo de Deus é derramar Seu poder e Suas bênçãos em nossas vidas. Quando damos o dízimo estamos sendo obedientes. Mas quando, por total gratidão e adoração, damos ofertas além do que nos é ordenado, estamos verdadeiramente abrindo a porta para que Deus derrame Suas bênçãos e realize o Seu deleite nas nossas vidas. 

Sabemos que Ele “é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós.” (Efésios 3:20) 

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.” (Mateus 6:33) Nós tomamos Deus por Sua Palavra ou não? 

Princípios da Administração 

Como vimos, o dízimo é um princípio importante na Bíblia. Deus espera que dizimemos de volta para Ele uma porção do que Ele, tão generosamente, tem nos dado. De fato, tudo que Ele nos dá ainda pertence a Ele — somos mordomos em quem Ele confiou para cuidar da Terra e tudo que nela há. Como lidamos com o que nos foi confiado por Ele — nosso dinheiro, nossos talentos, nosso tempo e nossa família — demonstra a nossa obediência à Sua Palavra, nossa confiança em Sua promessa de prover, e, mais importante, nossa fé nEle. 

A forma como você vê e lida com suas finanças é fundamental para o seu crescimento Cristão, e compreender os princípios de Deus sobre mordomia irá capacitá-lo para amadurecer em sua caminhada espiritual e herdar as bênçãos que Ele tem para a sua vida. 

Como você leu até aqui nesse livro, Deus lida com muitas áreas em nossas vidas que indiretamente afetam nosso casamento. Não basta se concentrar exclusivamente em princípios sobre o casamento, mas, novamente, Deus está usando essa provação em seu casamento para transformar você mais à Sua imagem enquanto te afasta da destruição do mundo e te mostra o caminho para a vida. 

As riquezas de Deus não são para nos “tornar ricos” à maneira que o mundo busca riquezas, mas, ao contrário, Suas bênçãos são parte da nossa herança. Deus quer que prosperemos (Jeremias 29:11) contanto que Ele saiba que usaremos nossa herança com sabedoria, não permitindo que a prosperidade nos traga ruína. Dar um carro para uma criança que é jovem demais é mais do que certo que acabará em tragédia. Só quando um dos pais vir maturidade é que ele vai querer passar as chaves desse carro. 

Deus quer que tenhamos uma atitude madura em relação ao dinheiro porque ele tem o poder de afetar nossa habilidade de tomar decisões sábias: “Duas coisas peço que me dês antes que eu morra: Mantém longe de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem pobreza nem riqueza; dá-me apenas o alimento necessário. Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: ‘Quem é o Senhor? ‘Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus.” (Provérbios 30:7-9) 

Está claro, entretanto, que é o desejo de Deus abençoar Seus filhos. Aqui estão mais alguns versículos que mostram o coração de Deus em relação a você como um dos Seus filhos: 

“A bênção do Senhor traz riqueza e não inclui dor alguma.” (Provérbios 10:22) 

“A recompensa da humildade e do temor do Senhor são a riqueza, a honra e a vida.” (Provérbios 22:4) 

“Pelo conhecimento os seus cômodos se enchem do que é precioso e agradável.” (Provérbios 24:4) 

“ O fiel será ricamente abençoado, mas quem tenta enriquecer-se depressa não ficará sem castigo.” (Provérbios 28:20) 

Esses versículos sustentam que há condições para as bênçãos financeiras (maturidade espiritual) e que é realmente uma condição de coração (uma ausência de ganância). 

Todos nós queremos as bênçãos de Deus sobre nossa vida, mas você sabia que a maneira como você lida com suas bênçãos tem muito a ver com como você cresce no Senhor e em que grau Deus pode trabalhar em sua vida? 

“Nenhum servo pode servir dois senhores; porque, ou há de odiar um e amar o outro, ou se há de chegar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom (riquezas fraudulentas, dinheiro, posses ou seja o que for em que você confie).” (Lucas 16:13). 

“Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito. Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem confiará as verdadeiras riquezas a vocês?” (Lucas 16: 10-11). 

Aumentar nossa capacidade de sermos usados por Deus, o que é riqueza espiritual, e obter as coisas maiores (ter o poder e a presença de Deus em nossas vidas) depende, em parte, do jeito como lidamos com nossas finanças. 

Para ir além e provar isso, há cerca de 500 referências na Bíblia sobre fé e 500 sobre oração, mas há mais de 2000 versículos se referindo as nossas finanças! Além das leis espirituais que foram estabelecidas quando Deus criou o universo (veja o capítulo 1), Deus também estabeleceu leis financeiras, as quais Ele compartilhou conosco em Sua Palavra. Nos beneficiamos ao seguir as leis ou sofremos as consequências quando desobedecemos. Não importa se somos ignorantes dessas leis ou escolhemos rejeitá-las; como a gravidade, elas existem e não podem ser debatidas. 

Princípio #1: Nós colhemos o que plantamos. 

Um dos princípios mais importantes de mordomia é semear e colher. Para colher, precisamos primeiro semear as sementes. Há muitas Escrituras que nos dão conhecimento do assunto de semeadura e colheita. Aqui estão apenas algumas: 

“Lembrem-se: aquele que semeia pouco também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura também colherá fartamente.” (2 Coríntios 9:6) 

“Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão.” (Salmos 126:5) 

“Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear isso também colherá.” (Gálatas 6:7) 

“Quem semeia para a sua carne da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito do Espírito colherá a vida eterna.” (Gálatas 6:8) 

“E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos” (Gálatas 6 :9) 

Quando semeamos com entendimento desse princípio e com fé em Deus e em Sua Palavra, nós devemos ter a expectativa da colheita onde houvermos semeado! Isso é realmente animador! 

Nenhum fazendeiro perderia tempo ou dinheiro semeando sementes se ele não tivesse expectativas de colher. Além disso, se ele quisesse colher uma colheita de milho, ele semearia milho. Se ele quisesse colher trigo, ele semearia trigo. 

Portanto, se você quer colher bondade, semeie bondade. Se você quer colher perdão, perdoe! Se você quer colher restauração em seu casamento, então semeie restauração seja ministrando e/ou semeando financeiramente — então antecipe a colheita, já que os princípios de Deus e Suas promessas são verdadeiras e Ele é fiel!! 

Podemos também acreditar na promessa de Deus de que ao semear na Sua obra estamos semeando para o nosso futuro eterno. “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.” (Mateus 6:19-21). O mais importante é que o que fazemos com nosso dinheiro aqui na Terra é uma indicação verdadeira de onde está o nosso coração. 

“Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come também lhes suprirá e multiplicará a semente e fará crescer os frutos da sua justiça. Vocês serão enriquecidos de todas as formas, para que possam ser generosos em qualquer ocasião e, por nosso intermédio, a sua generosidade resulte em ação de graças a Deus.” (2 Coríntios 9:10-11). 

Em outras palavras, quando Deus nos dá uma colheita abundante, não é para que sejamos egoístas e guardemos só para nós mesmos, mas para que possamos semear ainda mais no reino do céu. 

Os Cristãos muito ricos hoje são os canais que mantêm os ministérios, enviam missionários para terras estrangeiras e mantêm nossas igrejas florescendo a fim de assim alcançar os perdidos do Senhor. Estes não usam suas finanças para seus prazeres, mas descobriram que ao semear nas coisas de Deus eles têm a verdadeira alegria e contentamento. 

Entretanto, também devemos nos lembrar de que pobreza e prosperidade são termos relativos. O que nós chamamos de “nível de pobreza” nos Estados Unidos pareceria riqueza para outros em muitos países. 

Como Cristãos, devemos encontrar contentamento em toda e qualquer situação. O apóstolo Paulo nos lembra em Filipenses 4:12: “Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade.” 

Na verdade, há horas em que o Senhor chama Seus santos ao sofrimento, ao martírio, ou à pobreza (como a viúva pobre que deu as duas moedas — tudo que ela possuía) para glorificar a Si mesmo. Quando Ele nos chama para a pobreza ou sofrimento, entretanto, Ele nos dá a graça de suportar com alegria e ações de graça — sem resmungos ou reclamações. 

Embora não possamos compreender todas as razões de Deus ao permitir a pobreza, podemos confiar que Seus caminhos são mais altos do que os nossos caminhos. “No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade. Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam e até além do que podiam.” (2 Coríntios 8:2-3). Às vezes aqueles que sofrem as maiores necessidades se tornam os mais generosos! E, para alguém que ama o dinheiro, a perda das riquezas pode ser uma das formas de Deus nos quebrar, nos atrair para perto Dele e nos ensinar a confiar somente nEle. 

No entanto, em nosso país, pobreza e dívidas geralmente não atraem o interesse de família, amigos e vizinhos. Se temos sido abençoados com muito devemos testemunhar aos outros, não pregando a eles com autojustiça ou condenando o seu estilo de vida, mas permitindo que Eles “leiam” Deus em nossas vidas! “Vocês mesmos são a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos.” (2 Coríntios 3:2). Devemos exibir os frutos de quem é nosso Pai. Devemos permanecer em paz em meio aos problemas, abençoar nossos inimigos, perdoar livremente e caminhar seja em qual for a prosperidade que o Senhor nos permitir. Nossa generosidade deve glorificá-Lo e deve ser a própria bondade que Deus usa para atrair outros para Si! 

“... e sempre repitam: “O Senhor seja engrandecido! Ele tem prazer no bem-estar do seu servo”.” (Salmos 35:27). 

Princípio #2: Deus é possuidor de tudo. 

Salmos 24:1 diz simplesmente, “Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe...”. Tudo que temos pertence ao Senhor. 

“Teus, ó Senhor, são a grandeza, o poder, a glória, a majestade e o esplendor, pois tudo o que há nos céus e na terra é teu.” (1 Crônicas 29:11). 

“‘Tanto a prata quanto o ouro me pertencem’, declara o Senhor dos Exércitos.” (Ageu 2:8) 

Tudo que possuímos, seja muito ou pouco, está emprestado conosco — nós somos mordomos. De novo, é a forma como lidamos com o que nos é confiado (como explicado na parábola em Lucas 16) que irá determinar se Ele nos abençoará com mais ou se tirará até o que já temos. 

Princípio #3: Deus provê tudo. 

“Não digam, pois, em seu coração: ‘A minha capacidade e a força das minhas mãos ajuntaram para mim toda esta riqueza’. Mas, lembrem-se do Senhor, o seu Deus, pois é ele que dá a vocês a capacidade de produzir riqueza, confirmando a aliança que jurou aos seus antepassados, conforme hoje se vê. Mas, se vocês se esquecerem do Senhor, o seu Deus, e seguirem outros deuses, prestando-lhes culto e curvando-se diante deles, asseguro-lhes hoje que vocês serão destruídos.” (Deuteronômio 8:17-19). 

“Mas quem sou eu, e quem é o meu povo para que pudéssemos contribuir tão generosamente como fizemos? Tudo vem de ti, e nós apenas te demos o que vem das tuas mãos. Diante de ti somos estrangeiros e forasteiros, como os nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança. Ó Senhor, nosso Deus, toda essa riqueza que ofertamos para construir um templo em honra ao teu santo nome vem das tuas mãos, e toda ela pertence a ti.” (1Crônicas 29:14-16). 

“O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:19) 

Seja o seu ganho vindo do seu trabalho, ou tenha ele sido dado a você, quem é a Fonte de tudo que você tem? Deus. 

Princípio #4: Deus quer as primícias do que Ele te dá. Muitos cristãos doam às suas igrejas e outras instituições de caridade, mas não são abençoados porque não compreendem esse princípio tão importante. Deus deixa claro, ao longo de toda a Bíblia, que Ele deseja ser o primeiro em todas as áreas da sua vida. 

Se você paga as suas contas, antes de devolver as primícias para Ele, Deus não é o primeiro em sua vida e você terá perdido a benção. Nós aprendemos no capítulo 5, “Seu Primeiro Amor”, que Deus remove de nós o que colocamos acima Dele. 

“Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão plenamente cheios, e os seus barris transbordarão de vinho.” (Provérbios 3:9) O princípio é claro: nós devemos dar a Deus em primeiro. 

Frequentemente, quando os Cristãos começam a considerar o dízimo, não conseguem ver como poderão dizimar já que mal estão tendo o suficiente para fazer face às despesas. Isso é porque também não têm conhecimento do que vem acontecendo com suas finanças. Em Ageu 1:9 diz que Deus “dissipa com um sopro” o que você traz para casa e também permite que o devorador venha e leve o que era Dele de direito. 

“Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham- me à prova”, diz o Senhor dos Exércitos, “e vejam se não vou abrir as janelas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las. E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias 3:10-11) 

Todos os meses, Cristãos que não entregam o dízimo encontram despesas “inesperadas” como consertos ou outras necessidades com as quais eles não contavam. Mas é somente porque não conhecem esse princípio. Porque se Deus for o primeiro em sua vida — primeiro em seu coração, primeiro no seu dia e primeiro em suas finanças — então (e somente então) Ele irá “abrir as janelas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las” e fielmente “por causa de vós repreenderá o devorador”. 

Aqueles que se humilham dando a Deus seus dízimos e ofertas se deleitarão em abundante prosperidade! “Mas os humildes receberão a terra por herança e desfrutarão pleno bem-estar.” (Salmos 37:11). A Palavra Dele diz, “O infortúnio persegue o pecador, mas a prosperidade é a recompensa do justo.” (Provérbios 13:21). 

Princípio #5: O que você faz com as primícias determina o que Deus fará com o resto. 

Quando Deus pediu a Abraão o seu filho, ele não o negou; como resultado, Deus disse-lhe “Agora sei que você teme a Deus, porque não me negou seu filho, o seu único filho... por ter feito o que fez, não me negando seu filho, o seu único filho, esteja certo de que o abençoarei...” (Gênesis 22: 12,17). 

Deus disse ao exército que tomou Jericó que eles não deveriam tomar o espólio da primeira cidade e assim Ele lhes daria o resto. Deus sempre quer ver se nós O colocaremos em primeiro para provar nossos corações. “O crisol é para a prata e o forno é para o ouro, mas o Senhor prova o coração.” (Provérbios 17:3). No entanto, um dos soldados, Akin, não resistiu e tomou parte do espólio. Quando chegou a hora de tomarem a próxima cidade, Ai, em uma batalha que era muito menor e deveria ter sido facilmente vencida, eles foram derrotados. (Leia Josué 6) 

Esse princípio não é só para suas finanças ou sua restauração, mas para todas as áreas da sua vida. Quando falhamos em colocar Deus em primeiro, estamos roubando Dele aquilo que Ele nos pediu que entregássemos. Ele não quer outros deuses diante Dele: nosso dinheiro, nossos cônjuges, nossos casamentos, nossas carreiras. O que você fará com as primícias de tudo determinará o que Deus fará com o resto — se irá abençoar ou amaldiçoar. 

Você está em uma crise financeira? 

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.” (Mateus 6:33). 

Você buscou ao Senhor para as suas finanças? Em Filipenses 4:19, a Bíblia ensina claramente que o Senhor é Aquele que irá suprir todas as nossas necessidades. Entretanto, se nós levarmos nossas necessidades aos outros ao invés de buscar ao Senhor — se falharmos em buscá-Lo primeiro — então “todas essas coisas” não nos serão acrescentadas. 

Você está seguindo os princípios do Senhor para segurança financeira? As Escrituras nos ensinam que temos que dar o dízimo para sermos “plenamente cheios” e “transbordarmos”. (Provérbios 3:9-10). Somos também encorajados a “semear” se queremos colher. (Gálatas 6:7. 2 Coríntios 9:6). Você tem semeado e sido fiel no dízimo? Separe um tempo para ler e reler essas passagens das Escrituras e então ore para saber como o Senhor deseja mudar a forma como você tem confiado nEle enquanto cumpre Seu mandamento que é dado a todos os crentes, começando por dar uma parte de volta a Ele. 

Se você é fiel no dízimo e ainda assim está em uma crise financeira, certifique-se de estar seguindo todas as leis de Deus. Há muitas referências nas Escrituras sobre ações que levam à pobreza, incluindo não pedir (Tiago 4:2), pedir pelos motivos errados (Tiago 4:3), adultério (Provérbios 6:26), abuso da bebida e glutonaria (Provérbios 21:17, Provérbios 23:21), preguiça (Provérbios 10:4, Provérbios 14:23, Provérbios 28: 18-20), não aceitar repreensão ou correção (Provérbios 13:18), tomar decisões precipitadamente (Provérbios 21:5), oprimir os pobres (Provérbios 22:16) ou falhar em honrar sua esposa (1 Pedro 3:7) e, claro, reter o que pertence, de direito, a Deus. 

Enquanto estamos devolvendo a Deus, em dízimos e ofertas, também precisamos garantir que estamos dando às nossas esposas a honra que elas merecem. “Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e coerdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.” (1 Pedro 3:7). Sua esposa tem procurado viver dentro das suas condições, mas você é irresponsável com seus gastos? Você envergonhou sua esposa diante de outras pessoas ou fez piadas sobre como ela gasta? Assegure-se de que seu coração é puro e fiel à sua esposa de todas as formas. 

Quando Erin estava passando por uma ruína financeira, como mãe solteira de quatro crianças pequenas, ela aprendeu o princípio do dízimo. Ainda que estando perto da linha da pobreza, ela começou a doar o dízimo pela primeira vez em sua vida (tendo sido criada como Católica ela nunca tinha nem ouvido falar desse princípio). Ela não só começou a semear ao dar o dízimo de dez por cento da magra quantia que recebia, mas também começou a semear na vida de mulheres que estavam experimentando a tragédia na vida delas (falando com elas sobre a capacidade de Deus de restaurar seus casamentos). 

O coração obediente de Erin, que aprendeu a dar o dízimo ao Senhor, estabeleceu um padrão em nosso lar enquanto eu estava fora. Deus a honrou me guiando a também dar o dízimo logo depois que voltei para casa sem ela nem ter que me dizer nada sobre isso! 

Homens, se você ainda está lutando com esse princípio, pode ser que te ajude saber que Deus é o dono de tudo que possuímos, e é só por causa Dele que nos foi dado a “capacidade de produzir riquezas, confirmando a aliança” conosco. (Deuteronômio 8:18). Portanto você precisa ter certeza de que dá a Ele primeiro para confirmar que Ele é o primeiro em sua vida! 

Você servirá a Deus ou a mamom (dinheiro)? 

Muitos se desviam de ensinar sobre doar por causa dos abusos e porque não querem que pareça que estão só “atrás de dinheiro”, mas isso não elimina a verdade da mensagem. Busque você mesmo pela verdade. Teste-O para ver se Ele é fiel à Sua promessa. Dê primeiro a Deus, entregue o dízimo na sua casa do tesouro (o lugar onde você é espiritualmente alimentado), e veja se sua vida muda e você é abençoado em todas as áreas de sua vida. 

Deus é quem provê para nosso ministério e nossa família. Nós semeamos na vida daqueles que estão com o coração partido e aguamos com suporte contínuo através da nossa irmandade, mas é Deus quem traz o crescimento. Não buscamos ajuda em ninguém para suprir nossas necessidades, mas somente em Deus. 

Falhar em ensinar propriamente um princípio tão importante seria negligenciar o alimentar as ovelhas e o pastorear aqueles que estão vindo até nós em busca de ajuda, apoio e direção. 

Jesus disse para alimentarmos Suas ovelhas, e Deus disse em Oséias que Seu povo perece por falta de conhecimento (Oséias 4:6). Muitos que vêm até nós, ou são novos Cristãos ou têm frequentado uma igreja onde esse princípio, e outros princípios de restauração, não são ensinados. Nosso trabalho é fazer discípulos para o Senhor, dar a eles as ferramentas que eles precisam para transformar suas vidas. 

Para aqueles de vocês que nunca deram o seu dízimo a Deus, que Ele possa provar-lhes que você pode fazer mais com 90% da sua renda do que com os 100% que você costumava controlar. Vai ser preciso um passo de fé, mas, exatamente como você escolheu restaurar seu casamento ao invés de seguir em frente, sua vida nunca mais será a mesma. 

Para aqueles de vocês que doam (mas Deus não é o primeiro), que você possa reorganizar suas prioridades em cada área de sua vida para mostrar que Deus tem o primeiro lugar. 

Deus é um Deus que anseia por ser gracioso conosco; Ele anseia para nos abençoar! “... e sempre repitam: “O Senhor seja engrandecido! Ele tem prazer no bem-estar do seu servo””. (Salmos 35:27) 

Deixe-me concluir com essa maravilhosa promessa: “Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão.” (Salmos 126:5) Aleluia!! 

Compromisso pessoal: de doar. “Baseado no que aprendi na Escritura, comprometo-me a confiar e abençoar ao Senhor com minhas finanças. Eu buscarei a Ele no que diz respeito a como e onde dar o dízimo. Eu semearei na restauração de casamentos compartilhando boas notícias sobre restauração com aqueles que Deus trouxer à minha vida e doando financeiramente enquanto Deus guia e fielmente provê para mim.” 

Junte-se a Vitória! Não assista apenas. Jornada de Restauração não é um esporte para ficar apenas assistindo! Derrame o seu coração em cada Lição!
Por favor, comece a DOCUMENTAR, tendo o SENHOR em mente, sobre o que você aprendeu todos os dias pelos próximos 30 Dias para "Restaurar Seu Casamento".

Quanto mais você derramar o seu coração nos formulários, mais Deus e nós poderemos ajudá-lo. Esses formulários o ajudarão a manter o histórico. CLIQUE AQUI