Sharing is caring!

PTG WOTT Men

.

Leia o Testemunho de Casamento Restaurado

Palavra de Seu Testemunho
Para ajudar VOCÊ
A superar qualquer medo e dúvidas na
Habilidade e Desejo de Deus em
Restaurar SEU Casamento!

Minha Jornada de Restauração—Permanecer Firme!

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” 1 Cor. 15:58 

Uma noite eu estava dirigindo de volta para casa, tarde já, voltando de um rodeio, no verão de 1982, depois de participar de uma competição de montaria. A chuva caía pesada na estrada. Como a  viagem seguia lenta e eu me peguei tendo uma conversa profunda com o meu Senhor. Meu coração tinha estado pesado nos últimos meses a respeito de uma jovem, que eu sentia que seria a minha parceira de vida. Durante a minha conversa com o Senhor, eu tive a certeza de que logo ela se tornaria a minha esposa. A chuva se tornou uma revelação de purificação para mim porque eu sabia, além de qualquer sabedoria de cowboy, que meu Santo Perdoador, Jesus Cristo, estava prestes a abrir as porteiras de uma nova pastagem para mim.

A estrada de terra que levava à minha casa estava inundada. Eu logo me dei conta de que a tempestade tinha quase que destruído o meu lar. Um tornado tinha acabado com o celeiro e o granizo tinha quebrado todas as janelas da parte norte da casa. Todos os cômodos estavam inundados com mais de sete centímetros de chuva e pedras de granizo. O vapor de gás propano enchia a casa, e a eletricidade tinha sido cortada. Eu consegui achar um quarto com uma cama intacta e seca e não me preocupei com os gases. A casa estava bem ventilada àquela altura e estava tudo desligado.

Consegui localizar um saco de dormir seco e logo fiquei ouvindo os trovões e relâmpagos, enquanto me deitava para descansar. Eu sentia uma grande paz, o que me reassegurou do convênio que eu estava para assumir com Deus e com minha futura noiva. Eu dormi como se o céu estivesse dentro do meu coração.

Em 16 de abril de 1983  me casei com Edie. Eu tinha sido criado por sensatos pais cristãos e problemas familiares eram simples para uma família em um ambiente de agricultores, com uma cultura centrada em Deus. Edie, ao contrário, tinha crescido sobre a sombra de um pai alcoólatra que criara uma vida inteira de tormento, resultando em uma família quebrada. Mas, eu era um cowboy! Eu dava conta daquilo.

Nos próximos quinze anos mais ou menos, meu casamento passou por muitos daqueles típicos altos e baixos. Nossos três filhos se  tornaram o centro da nossa vida. Eles estavam se tornando líderes cristãos fortes entre seus amigos. Até hoje  eles permanecem muito próximos a seu Senhor e Salvador. As minhas atividades como cowboy, rancheiro, peão de rodeio e o ensino de tarefas sobrecarregaram o nosso casamento. Eu me tornei viciado em trabalho.
Como o homem da casa, eu tinha sido influenciado pelo mundo e me tornara um homem muito diferente daquele que Deus queria que eu fosse. Eu me achava um grande cowboy, e tinha um falsa imagem de mim mesmo como um sólido homem de Deus.

Àquela altura, eu acreditava que a minha casa tinha sido construída sobre  a rocha. Minhas paredes eram de tijolo e o teto tinha vigas de aço para proteger por cima. Eu me via como um bom homem e, para todos os efeitos,o mundo via Coke Hopping como um grande homem. Mas eu era muito orgulhoso para enxergar que meus caminhos estavam destruindo a minha família.

Os problemas começaram a surgir dentro do nosso lar e lentamente as paredes começaram a cair. Uma ocasião, a palavra “divórcio” foi dita aos gritos. Em muitas ocasiões, minha esposa saiu em viagens que envolviam bebida e estadias por vários dias.  Começou um lento padrão de altos e baixos no nosso relacionamento.

A cada vez, os altos eram mais altos e os baixos ainda mais baixos. Foi só uma questão de tempo para que o vale se tornasse uma cova.

No começo de 2000, eu fui diagnosticado com Esclerose Múltipla. Eu já  apresentara sintomas dois anos antes, mas os médicos tinham descartado os sintomas neurológicos como tendo sido desenvolvidos a partir de lesões na medula espinal, após anos montando sem sela. A  sensação de queimação do lado que eu tinha foi atribuída a uma cicatriz na minha coluna espinhal no pescoço. Logo me vi no hospital com esclerose múltipla. Mal sabia eu que isto logo se tornaria o meu próprio “espinho na carne” assim como o apóstolo Paulo teve que suportar.

O diagnóstico afetou a minha estabilidade física e emocional. Minha EM era reincidente/remissiva o que significava que ela ia e vinha, mas os sintomas pioravam a cada recaída. Fisicamente, eu estava bem. Mas era só o calor e o estresse apertarem, e eu muitas vezes tinha que me deitar em um colchão em meu escritório no fim do dia, exausto. Minha memória de curto prazo se tornou uma batalha constante. Eu derrubava as coisas, tropeçava nelas, arrastava a minha fala e me tornei um homem zangado. Meus filhos não conseguiam compreender por que eu nunca estava feliz. Eu discutia frequentemente e perdi muitos amigos devido às minhas explosões de raiva. E perdi a habilidade de ser o homem que minha esposa precisava tão desesperadamente na vida dela.

Em 2004, minha esposa estava de volta na vida do pai dela. Ela era a”garotinha” dele. O relacionamento deles tinha sido de tempos em tempos durante a juventude de Edie e, infelizmente, continua do mesmo jeito até hoje. Ele pediu a ela que se envolvesse com o negócio de leilões que ele tinha. Minha esposa finalmente tinha um pai em sua vida, e que cuidava dela e a amava como um pai deveria fazer; e isso era o que ela sempre tinha desejado quando criança. Edie começou a dirigir, indo e vindo de Amarillo todos os finais de semana para trabalhar com o pai no negócio dele. Eu notei que ela estava se afastando de mim. Nossas finanças começaram a entrar em colapso e  tive que pedir ajuda ao meu sogro. Eu conversei com ele a respeito do meu relacionamento com minha esposa e expliquei que eu estava preocupado porque ele tinha se tornado a figura masculina central na vida dela, e não eu. Ele explicou que, como pai dela, esperava-se que ele se fosse a figura central na vida da filha.

Meu sogro tinha parado de beber logo que a minha filha nasceu. No entanto, ele ainda era basicamente o mesmo sujeito, exceto que agora não bebia. Ele poderia ser descrito como alguém que se comportava como um alcoólatra, embora não bebesse. Ele era um homem duro, que perdera tudo, mas que tinha lutado para construir um negócio sólido em sua área nos últimos anos. Ele era muito respeitado no mundo dos negócios, e parecia estar seguindo um caminho diferente, graças ao seu novo relacionamento com a igreja. Meu sogro, honestamente, acreditava que o seu relacionamento com a filha deveria ter prioridade sobre o meu relacionamento com ela, e ele acreditava nisso como sã doutrina. Mas isso não era bíblico.  “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne”. Ef 5:31. Como marido, era eu quem deveria ser o homem na vida de Edie.

Minha esposa continuou a trabalhar nos leilões todos os finais de semana. Em outubro de 2004, eu fui hospitalizado novamente. Ela tornou a tocar no assunto do divórcio. Era a hora perfeita para que ela fizesse isso: naquela situação eu não tinha como lutar. É meio duro para um cowboy seguir uma mulher pelo hospital com uma camisola aberta atrás! Olhando para trás, eu posso imaginar Deus balançando a cabeça diante da situação em que eu havia me metido.
As coisas não mudaram muito durante os feriados. Em fevereiro de 2005, eu viajei  com meus garotos para assistir o Rodeio e Exposição Pecuária em San Antonio. Nós tínhamos vários animais em exposição. Me lembro de ter ligado para a minha esposa no Dia dos Namorados para dizer “eu te amo”. A resposta que recebi foi completamente o oposto. Ela estava a caminho de San Antonio para ver os meninos, não a mim, e ficou óbvio que ela não estava sozinha. Ela apareceu na exposição, assistiu a participação dos garotos nos eventos deles e foi embora logo em seguida. Eu me lembro de ficar parado no estacionamento, chorando e gritando com o diabo. Eu sabia que era ele quem estava por trás da coisa toda. Quando cheguei em casa minha esposa tinha feito as malas e ido embora.

O casamento foi a primeira instituição que Deus criou, “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.” Gn 2:23-25, e é a última instituição estabelecida no Apocalipse, “Regozijemo-nos! Vamos alegrar-nos e dar-lhe glória! Pois chegou a hora do casamento do Cordeiro, e a sua noiva já se aprontou. Para vestir-se, foi-lhe dado linho fino, brilhante e puro”. O linho fino são os atos justos dos santos.  E o anjo me disse: “Escreva: Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro!” E acrescentou: “Estas são as palavras verdadeiras de Deus”. Ap 19:7-9. Satanás teve uma missão desde o Jardim do Éden: destruir todos os casamentos que ele conseguisse. Esse é o seu objetivo e ele sabe que o seu tempo está se esgotando. O centro do seu plano geral de batalha é destruir a humanidade, destruir o convênio do casamento do homem e da uma mulher com Deus. Mal sabia eu que meu desafio com Satanás se transformaria na batalha em que se transformou. O jogo tinha começado e eu não estava nem ao menos bem preparado para ele de maneira alguma.

Em 1985, eu perdi um irmão em um acidente de moto e agora, em maio de 2005, meu outro irmão estava morrendo de câncer. Eu trabalhava na Escola de Rodeio Sankey em New Caney, no Texas, como instrutor de montaria à cavalo, quando recebi o telefonema avisando que o meu irmão havia falecido. Enquanto dirigia de volta para casa com meus garotos, eu senti muito a falta da minha esposa e achei que aquela situação certamente iria dar um pontapé na nossa reconciliação. Não deu. De fato, ela nem se sentou perto de mim. Ficou claro para todo mundo que ela não fazia mais parte da minha vida. Eu tentei parecer deplorável e, realmente, minha aparência toda estava deplorável. Tenho certeza que eu parecia desse jeito para todo mundo, inclusive para os meus filhos.

Àquela altura, minha esposa tinha se mudado, mudado de endereço, estava indo às festas na cidade onde o pai dela morava e estava praticamente fora da minha vida. Eu tinha dito aos meus dois filhos adolescentes que a mãe deles não voltaria para casa. O mais jovem só encolheu os ombros e disse que, de qualquer forma, ela nunca estava presente mesmo. Minha tentativa de fazer os meninos convencerem a mãe a voltar para casa não funcionou. E eu sabia que aquilo era errado da minha parte.

Foi naquele funeral que um amigo de longa data apareceu para prestar as suas últimas homenagens. Eu conheço Brice desde que eu era grande o suficiente para andar e carregar uma corda. Quando  tinha 10 anos, ele ia aos jogos de futebol do Texas Tech comigo e eu fui o Cavaleiro Mascarado do time em 1979 e 1980. Brice me ligou no dia seguinte e eu o coloquei a par de tudo que tinha acontecido no último ano. Até hoje eu ainda recordo a sua atitude alegre. A confiança dele era fora de série. E, para arrematar, a esposa dele também tinha se separado e estava morando em Dallas.

Brice explicou para mim que ele tinha ganhado dois livros—Um Homem Sábio e Como Deus Irá Restaurar Seu Casamento. Ele me falou do site na internet e me orientou sobre como encontrá-lo. Eu falei com ele que eu só queria ler o que fosse verdade a respeito do divórcio e do casamento diretamente da Bíblia. Ele rapidamente me explicou que os livros não eram comentários sobre casamento, mas, ao contrário, eram mapas para as escrituras correspondentes ao longo da Bíblia. Todas as perguntas que eu fazia ao Brice, ele me respondia com uma escritura. Jesus fez a mesma coisa quando foi tentado na montanha. Ele respondeu três vezes às tentações de Satanás com “Está escrito…” Mt 4:5-10. Brice descreveu para mim a situação dele com a esposa e como a separação tinha acontecido. Todas as vezes que nos falávamos, ele era sempre positivo e otimista quanto à volta dela. E ele sempre falava também sobre como iríamos todos juntos ao Applebee’s tomar um milkshake de chocolate quando a minha esposa voltasse! Eu só conseguia pensar era no quanto ele ficaria magoado no fim daquilo tudo.

A esposa dele tinha um apartamento e um bom emprego. Brice imediatamente se tornou o meu companheiro de oração. Eu me lembro dele orando comigo como se o seu martelo estivesse pregando pregos na ferradura do casco do cavalo. Sempre que eu perguntava como ele estava ele respondia, “Ótimo, vivendo a vida! Mal posso esperar pela volta da minha esposa!”

O verão foi duro. Minha esposa tinha mudado de residência para que, depois de seis meses, ela conseguisse se divorciar de mim pela lei do condado onde ela morava. Estava trabalhando com o pai. Descobri depois que o pai dela é quem tinha pagado o advogado para tratar do divórcio. Ela também tinha começado um relacionamento com um dos empregados dele que, mais tarde, a levou para caminhos muito perigosos. Meu sogro ia à igreja e ganhou um livro do pastor que apoiava a doutrina do divórcio. Minha esposa deu uma cópia do livro para mim e outra para o meu filho mais velho. Eu corri para o meu pastor, Dewayne. Ele rapidamente me mostrou os erros naquele assim chamado manual. Era uma doutrina falsa apresentada por lobos em pele de cordeiro. “Eu odeio o divórcio”, diz o Senhor, o Deus de Israel, “e também odeio homem que se cobre de violência como se cobre de roupas”, diz o Senhor dos Exércitos.”  Ml. 2:16.

O manual sobre divórcio tinha tido sua origem em um seminário Batista na Louisiana. Eu liguei para a universidade que explicou que o texto havia sido escrito por um aluno, como a sua pesquisa de doutorado. O estudante havia sido advertido  de que se ele afirmasse que o conteúdo da sua monografia era doutrina bíblica, ele não receberia a nota necessária para a aprovação. De alguma forma, o texto tinha saído da universidade e chegado à várias igrejas. Agora ele estava passando pelas igrejas e apoiando a interpretação de que qualquer divórcio era bíblico. “No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda.” 2 Pedro 2:1–3.Algumas vezes igrejas e conselheiros podem fazer muitos estragos.

Minha esposa e eu procuramos aconselhamento cristão por um curto período. O conselheiro sugeriu que minha mulher fosse a um psiquiatra. Edie foi e o psiquiatra a diagnosticou com Transtorno de Personalidade Emocionalmente Instável. A sessão logo se voltou para como eu deveria agir com a minha esposa e a afastou de mim. As conversas não foram nada mais do que falatórios e um culpando ao outro. A nossa conselheira era cristã, mas estava, claramente, na contramão das escrituras sobre a forma de como tratar a nossa situação. 

Em junho de 2005 eu contratei um advogado, já que a minha esposa tinha um para representá-la. Eu pensei, naturalmente, que tinha que me proteger. Brice uma vez me disse para dispensar o advogado. Eu respondi que perderia o rancho. Ele logo me explicou que eu não poderia servir a dois senhores. “Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro.” Mt 6:24. Eu não podia, de um lado, orar para que a minha esposa voltasse para casa, e ao mesmo tempo PAGAR um advogado para lutar por mim no tribunal. Meu advogado já tinha ganhado um pagamento de pensão de $500 por mês para me ajudar com os meus dois filhos que ficaram comigo. Minha esposa estava com dois meses de atraso nos pagamentos, e já estava prestes a receber uma notificação de que o valor seria descontado do seu contra cheque. Fiquei em dúvida a respeito dessa questão por muito tempo. Eu já tinha recebido os papéis do divórcio e toda a esperança parecia estar escorrendo para longe.

Por muitas noites eu me retirei para um pasto em nosso rancho, onde havia uma elevação que dava vista para um pequeno riacho, conhecido como Indian Creek. Passei muitas noites orando naquele lugar e na ponte sobre o Indian Creek que levava ao nosso rancho. Em agosto, eu compreendi que teria que dar um passo de fé e dispensar o meu advogado. Visitei a minha filha e o meu filho mais velho e expliquei a eles a situação. Eu já havia enviado o acordo de pensão assinado para o meu advogado mais cedo,para que ele desse início ao processo de coleta dos fundos. Mas eu disse aos meus filhos que simplesmente não podia fazer aquilo e que iria ligar para o advogado e instruí-lo a retirar os papéis e dispensá-lo. Meus filhos e eu oramos juntos naquela noite de domingo.

Na segunda-feira seguinte, minha filha me ligou para me informar que ela  tinha recebido $500 de presente de alguém em seu escritório para pagar a sua aula de agente imobiliária. Ficamos animados. Eu liguei para o advogado e falei dos meus planos e ele aceitou com relutância. Até o fim da semana eu já tinha entrado em contato com ele várias vezes e o correio ainda não tinha entregado os papéis da corte assinados! O plano de Deus estava em ação!

Nos meses seguintes, eu recebi várias ligações da minha esposa exigindo que eu fosse à corte. No Texas, um cônjuge pode conseguir o divórcio sem a presença do outro. Eu sabia que ela só queria brigar comigo. O divórcio era inevitável. Eu recebi os papéis e os levei para o pasto, queimei tudo aos pés de uma cruz que eu tinha erguido para as minhas orações. Recebi uma ligação no celular uma tarde, enquanto eu cavalgava, de um oficial dizendo que eu tinha que comparecer na corte na manhã seguinte às 9 horas da manhã. Eu respondi, “Não, senhor, eu não tenho não.” Ele ficou muito bravo e disse que era meu dever comparecer. Eu simplesmente continuei cavalgando e disse a ele, “Não.” Ele me falou que minha esposa poderia ficar com tudo. Respondi apenas, “Eu acho que não.” Aí o homem ficou louco! E ele nem ao menos iria ganhar nada com aquilo. Eu nunca fui à corte e nem assinei nada. Eu só olhei para o outro cowboy que estava comigo e sorri e nós seguimos em direção ao pôr do sol. (Observe que as leis sobre divórcio mudam de estado para estado.)

Eu cometi muitos erros nos meses que se seguiram. Persegui a minha esposa quando eu não deveria, o que me revelou coisas das quais Deus estava me protegendo. E criou dificuldades para o perdão quando ela voltou para casa. Minha esposa continuava envolvida com o outro homem (“OH”). Ela tinha um emprego em sua nova cidade e conseguiu assegurar 100% de financiamento para uma casa nova. Eu contei ao Brice sobre todos esses novos acontecimentos no meu, agora, relacionamento de divorciado, e ele simplesmente disse que ela perderia o emprego, a casa, e ainda ficaria doente. Todas essas coisas de fato aconteceram e minha esposa caiu em um caminho muito escuro e muito duro. E, mais uma vez, o pai a abandonou.

Eu logo aprendi que não precisava orar para que Satanás deixasse minha esposa em paz. Nossas orações são poderosas e elas funcionam. Todas as vezes em que orei para que Satanás a deixasse, ele deixou. Muitas vezes, ela me ligava e ficava triste com a nossa situação e queria voltar para casa, mas Satanás retornava e encontrava a casa limpa, sem o Espírito Santo para protegê-la e voltava sete vezes pior. Isso a estava literalmente destruindo, espiritual, emocional e fisicamente. “Quando um espírito imundo sai de um homem, passa por lugares áridos procurando descanso e, não o encontrando, diz: ‘Voltarei para a casa de onde saí’. Quando chega, encontra a casa varrida e em ordem.Então vai e traz outros sete espíritos piores do que ele, e entrando passam a viver ali. E o estado final daquele homem torna-se pior do que o primeiro.’” Lc 11:24-26. Aprendi cedo a orar por uma cerca de espinhos ao redor dela como Oséias fez por Gômer. “Portanto, eu lhe cercarei o caminho com espinhos e levantarei uma cerca contra ela, para que não ache suas veredas.” Oséias 2:6  

Em 2006, por várias ocasiões, minha esposa quis se reconciliar e, uma vez, nós até compramos anéis de casamento. Mas isso também não deu certo. Enquanto estávamos comprando os anéis, eu tive uma sensação de desconforto. Com certeza, o OH não estava muito longe.

Este velho cowboy certamente estava muito apaixonado pela esposa, mas eu não estava ouvindo a Deus. Eu não estava lendo as escrituras e buscando sabedoria naquilo que eu lia. Eu continuava a vigiando e descobrindo mais coisas que Deus estava tentando me proteger para que eu não soubesse. Eu era igual a um cachorro brigando com um porco-espinho. Continuava voltando lá só para sair ainda mais cheio de espinhos! Você já tentou tirar os espinhos do porco de um cachorro?

Brice nunca deixou de “ficar na brecha” e eu nunca deixei de ter fé de que minha esposa voltaria. Mas eu precisava desenvolver disciplina para permanecer na Palavra. 

2006 veio e se foi. Minha companhia de rodeio estava indo bem. Meu emprego como instrutor estava indo bem. Nosso divórcio não tinha afetado nem o nosso rancho e nem o nosso lar. Mas o estresse e as exigências físicas do meu trabalho e os rodeios estavam afetando a minha condição quanto à esclerose múltipla. Aconteceram muitos problemas com o OM e a minha esposa. Ele estava constantemente encrencado com a lei e ela seguia por um caminho perigoso ao lado dele. O ano terminou com a minha família, incluindo minha esposa, viajando em um cruzeiro. Todos os meus três filhos foram e também o meu futuro genro. A viagem durou cinco dias. O cruzeiro foi ótimo. Minha esposa e eu nos demos bem. Mas era óbvio que o coração dela estava em outro lugar.

Por outro lado, Brice estava vivendo um casamento restaurado com sua esposa. Ela havia voltado para casa!

O novo ano iria ser melhor. Eu sabia que meu tempo como instrutor estava acabando. A esclerose estava tornando mais e mais difícil aguentar até o fim do dia. Eu logo pedi a aposentadoria e deixei a escola em março de 2007, com dias acumulados suficientes para que eu fosse pago até junho. Uma nova oportunidade de emprego surgiu e  me mudei para a College Station Area. Coloquei o rancho à venda e meu filho mais novo se mudou para o sul comigo. Minha filha tinha acabado de se formar na Texas A&M e meu filho mais velho estava frequentando a mesma universidade.

2007 chegou e eu ganhei uma nova fé na restauração. O ponto de virada foi quando eu, literalmente, tirei os olhos da minha esposa e os coloquei no meu Senhor e Salvador. Eu me afastei do que a zona mundana das emoções me dizia. Jejuei mais para me aproximar do Senhor.  Eu queria que Deus tomasse conta da minha vida.

Agora, meus livros, a Bíblia Sagrada, Um Homem Sábio e Como Deus Irá Restaurar Seu Casamento já estavam desgastados pelo tanto que eu lia. Meu mapa da estrada, através da Bíblia, estava mais claro e a minha prioridade passou a ser primeiro Deus, e não mais a minha esposa. Mas o melhor de tudo foi que ganhei uma nova perspectiva ao ler as escrituras e um novo relacionamento com o meu velho Sagrado Perdoador!

A esclerose ainda era um problema na minha vida. Mas uma coisa que resultou da minha luta contra ela foi que o meu coração amoleceu. Deus abrandou a minha postura sobre algumas atitudes do velho cowboy durão. Eu procurei vários amigos antigos com quem eu tinha me desentendido e pedi perdão. Esse ato também me mostrou que eu deveria perdoar a minha esposa. “Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: ‘Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?’ Jesus respondeu: “Eu digo a você: Não até sete, mas até setenta vezes sete. “Por isso, o Reino dos céus é como um rei que desejava acertar contas com seus servos.” Mt 18:21-23. E isso significa que eu tinha que perdoar diariamente!

Minhas atitudes nos anos anteriores tinham preparado o cenário para a morte do meu casamento. Sim, minha esposa havia herdado a maldição de um pai alcoólatra e teve pais que se divorciaram. No entanto, as escrituras também mostram que as bênçãos podem quebrar as maldições. Aquele era o meu trabalho como marido e chefe da casa.

Nós homens subestimamos o papel que fomos chamados a exercer como líderes da casa. O marido é ordenado a amar a esposa. “Maridos, ame cada um a sua mulher, assim como Cristo amou a igreja e entregou-se por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra.”

O marido é instruído a tratar a esposa como uma herdeira igual. “Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.” 1 Pedro 3:7

Meu lar físico tinha sido destruído e as paredes foram arrastadas, mas a minha existência permanecia na rocha. Esse princípio é o fundamento escriturístico que primeiro te coloca na estrada que segue em direção à restauração do seu casamento. Para vencer os cactos,as cascavéis, as secas, as vacas fugindo e as quedas do cavalo, você precisará da pura Palavra de Deus para te guiar na trilha por onde Jesus quer que você caminhe. Muitas pessoas irão se submeter aos caminhos do mundo e, após um período de tempo, cederão às maneiras mundanas e irão fazer o que o reality show mais recente diz E não alcançarão a restauração. Pergunte ao Jó do Velho Testamento. Não foi dito quanto tempo a provação dele durou. Pergunte ao Oséias do Velho Testamento. Não é dito por quanto tempo ele teve que esperar até ser instruído a voltar para a cidade e readquirir a sua esposa, Gômer.

Olhando para trás, e refletindo sobre o meu processo de restauração, é fácil ver os sinais de que eu estava perto de ser restaurado, já que agora eu tenho uma visão de  tudo em retrospectiva. Eu acho que uma das coisas mais difíceis para a maioria das pessoas é isso, é ter essa visão em perspectiva das coisas.

As coisas começaram a desmoronar na vida da minha esposa em 2007, quando ela machucou as costas no trabalho, o que fez com que trabalhar se tornasse difícil para ela, resultando em dificuldades para pagar a hipoteca da casa. Tudo que eu pude fazer foi estar lá  para atender o telefone com um espírito otimista, mas eu não dei dinheiro a ela porque eu sabia que não era o que Deus queria que eu fizesse. Por várias vezes eu ajudei a consertar muitas coisas na casa, embora eu tenha visto evidências das coisas do OM por lá. No fim, quando eu levei as coisas da minha esposa de volta para casa, eu só peguei aquilo que era dela. Tenho certeza de que algum sem teto se beneficiou das outras coisas que foram deixadas na calçada. 

O que eu mais me lembro sobre aquele período não era muito o que a minha esposa estava fazendo, mas sim que “o meu coração estava com o Senhor”. Eu tinha uma sensação de paz e o sentimento de pânico, que eu experimentava cada vez que minha esposa se virava para a direita ou para a esquerda, não me afetava mais, como fazia antes no começo.

Esta pode ser uma fase perigosa do processo de restauração. Porque isso cria uma sensação de “Ok, eu não acho que eu a quero de volta agora” ou “Eu posso viver sem ela!” Eu sempre digo aos homens para TEREM CUIDADO! Satanás está movendo o pêndulo para o outro lado. Ele sabe que está perdendo a batalha. Lembre-se da escritura acima sobre Oséias—Deus disse que ele devolveria a mulher de Oséias e ELE (Deus) removeria da boca dela o nome do Baal. Quando este processo for iniciado, permaneça no curso e deixe que Deus termine o Seu trabalho e esteja preparado para aceitar a sua esposa quando ela voltar. Se não for assim, então terá sido você quem virou as costas para o convênio do casamento em que entrou, porque Deus estará restaurando o seu casamento. O livro de Oséias inteiro trata do relacionamento adúltero do povo escolhido de Deus com o Senhor deles.

O ponto de virada da minha restauração veio quando o meu coração ficou em paz com o meu relacionamento com Deus. Tive aquela sensação de “Ok, eu vou ficar bem.” Também me lembro de sentir, ou pensar, que estava tudo certo em seguir em frente com a minha vida sem a minha esposa. Aí foi quando eu tive que parar e lutar contra essa sensação. Eu acho que muitos casais agem dessa forma por um tempo, creio que seja por isso que há tantos casamentos que não são restaurados. O cônjuge que vai embora diz alguma coisa do tipo “Eu não te amo mais e nunca mais vou te amar outra vez! ENTÃO segue a sua vida!” E o cônjuge, o que ouve esse comentário, geralmente aguenta firme por uns 10 meses. Isto quase aconteceu comigo também.

Mal sabia eu de todas as pequenas coisas que Deus estava fazendo no coração da minha esposa. Se eu tivesse seguido em frente, eu nunca poderia ter visto o Espírito Santo fluir do coração e da boca dela hoje, quando ela dá glórias e honras ao seu Salvador! Meu ponto de virada aconteceu mais ou menos dois anos depois. Olhando em retrospectiva, parece que foi acontecendo em fases, simultaneamente à minha caminhada com Jesus.

Minha restauração aconteceu em janeiro de 2007, quando eu tive que fazer algumas mudanças no meu trabalho. Minha saúde estava começando a afetar o meu emprego e, pode ter sido devido ao estresse da situação no meu casamento. No entanto, eu sabia que tinha que fazer alguma coisa. Quando eu comecei a me mover em uma direção positiva para consertar as coisas, eu tentei fazer de um jeito que refletisse um novo Coke. Eu levei as minhas roupas para serem lavadas na lavanderia, passei a usar roupas limpas e melhorei a minha imagem, a minha  “primeira impressão” todos os dias. Tentei aparentar otimismo quando estava tendo um mau dia, tentei fingir até que eu realmente me sentisse otimista.

Quando chegou a hora de mudar, minha esposa entrou em contato e quis se mudar junto comigo. Eu estava feliz por ela estar pronta para colocar todas as suas coisas na minha carroça, quando mudamos para um novo rancho. As coisas estavam indo muito bem. A princípio, eu achei que ela se mudou porque os garotos estavam indo comigo. Ficou óbvio, em algumas ocasiões, quando encontrei as coisas do OM, que ela tinha estado em contato com ele. Estou certo de que esta é uma fase difícil para muitos relacionamentos. Foi difícil para mim.

Ficou óbvio pelo que eu vi, que o coração do OM era dela e como Satanás estava mexendo os pauzinhos. Eu pude ver facilmente que ele não era um homem de Deus, e este único fato me deu a confiança de que o meu Senhor iria prevalecer. Também acho que saber disso me impediu de fazer qualquer besteira. Me lembro de ter dito à minha esposa, naquele momento, que estávamos deixando Sodoma e Gomorra e não podíamos olhar para trás, para os meus pecados passados e que se ela olhasse, eu não poderia olhar para ajudá-la. Aquilo foi duro, mas eu também fiz o meu melhor para que fosse dito com um coração amoroso. A mulher de Ló olhou para trás porque ela sentiu saudade do seu passado e foi transformada em uma estátua de sal. (Gn. 19:21–26).

Cada homem tem seu próprio caminho a trilhar. A jornada de cada um levará a uma trajetória única, que passará por diferentes canyons e diferentes montanhas. Eu digo que a escritura nunca muda e nunca contradiz a si mesma. Dizem que você pode ler a Bíblia cem vezes e encontrar coisas diferentes a cada vez. Não é verdade! A Palavra é e sempre será! Vá para debaixo de uma árvore e coloque um fio de prumo dependurado em um galho mal tocando a areia macia embaixo dele. Mova gentilmente o fio para um lado e para o outro para que ele deixe marcas leves na areia enquanto a toca. Observe o movimento para frente e para trás e, mais cedo ou mais tarde, o fio irá parar no CENTRO EXATO todas as vezes. A Palavra é assim! Ela pode falar com você de forma diferente cada vez que você a lê, e deve mesmo ser assim. Quanto àquelas marcas do fio fora do centro,elas são semelhantes à maneira como você interpreta a Palavra para atender aos seus próprios desejos. Ela é a Palavra viva e irá falar com você, mas será preciso que você entenda a verdadeira doutrina para manter o prumo no centro. Por causa do Espírito Santo, que permanece aqui após Jesus ter ascendido aos Céus no Livro de Atos, a Palavra falará com você como nenhum outro livro fará. Ela nunca muda! Ela nunca se contradiz! Ela tem resistido à centenas de anos de interpretações! E inúmeros autores a escreveram com centenas e centenas de anos de diferença entre eles. Há uma razão para que ela seja chamada de A Bíblia Sagrada—Ela é a própria PALAVRA de Deus que foi escrita e registrada por um grupo muito especial de escritores!

Cada homem terá uma jornada diferente e cada homem desenvolverá o seu próprio testemunho. Um amigo meu passou por um conjunto de circunstâncias similares às minhas. Ele lutou pela restauração por cerca de um ano, e depois se casou novamente e  teve um outro filho. Então, um dia, a ex-esposa dele retornou, depois de cinco anos, e comentou que, se ele tivesse esperado, ela achava que eles teriam voltado a ficarem juntos. Esse meu amigo agora está  em outro casamento com uma outra mulher e com um outro filho. Ele me disse depois que, olhando para trás, esperar cinco anos não era assim tanto tempo. Mas ele já tinha se casado novamente.

Deus dá a cada um de nós as ferramentas que precisamos e a Sua promessa de Salvação e Restauração, e ela nunca muda ao longo das escrituras. Então por que você acha que a sua situação vai acabar de forma diferente? Você deve ter fé e o Senhor permite que você ore pedindo fé. Mas virá um tempo em que todos nós teremos que agir de acordo com essa fé! Ponha uma sela em qualquer cavalo bronco que o Senhor te der. Alguns vão cair. Outros vão permanecer sobre ele por seus gloriosos 8 segundos, e depois pular fora com tanto orgulho, que ao final se esborracharão no chão ao deixarem a arena. E alguns de vocês podem receber até mesmo um burrinho, exatamente como o Senhor quando entrou em Jerusalém para a Páscoa. Mas, no fim, eu prometo que o cavalo que você montará no exército de Deus será um animal magnífico, que cavalgará ao lado de Jesus e do Seu cavalo. É hora de entrar na baia e escolher a sua montaria para a cavalgada que vem pela frente. Tenha fé no seu Senhor e Salvador, e permaneça firme. Se você cair, eu te digo, “Monte outra vez!!!”

Minha esposa e eu nos casamos novamente em 2009. Ela agora tem um relacionamento novo com Jesus Cristo e isso é por causa Dele, de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. Eu tive que vender o nosso pequeno rancho, mas agora eu administro um rancho muito maior, com uma linda casa. Eu consegui completar os meus mestrados em liderança Agrícola, Educação e Comunicação na Texas A&M e me formei junto com o meu filho mais velho. Minha filha está casada e esperando o primeiro bebê. Meu filho mais novo agora está na universidade. Minha esposa agora dá aulas para a segunda série e está ansiosa para se tornar avó. Minha esclerose está em remissão.

Minha casa foi devastada, mas a sua fundação não. Eu sou grato aos meus pais por estabelecerem a doutrina cristã em minha vida. Eu oro para que a minha vida faça o mesmo pelos meus filhos. John Wayne disse, no filme “Os Cowboys”, “Não importa como você será enterrado, mas sim como você será lembrado.”

É o nosso Salvador, Jesus Cristo, quem te fará passar por tudo, não será nada e nem ninguém mais. Deixe que estes livros sirvam como um mapa para te ajudar a encontrar o seu caminho através da Sagrada Palavra de Deus —A Bíblia. Deus irá te guiar enquanto você se torna “Um Homem Sábio”, construindo a sua casa sobre a rocha. “Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela não caiu, porque tinha seus alicerces na rocha.” Mt. 7:24–25.

Permaneça Firme e que Deus abençoe os seus caminhos!

Coke e Edie Hopping

P .S.

Brice, é hora de tomarmos aquele milkshake de chocolate no Applebee’s. 

Capítulo 17 "Abrindo as Janelas dos Céus"

“’Fazei prova de mim nisso’,
diz o Senhor dos Exércitos,
se eu não vos abrir as janelas do céu,
e não derramar sobre vós uma benção tal
até que não haja lugar suficiente para a recolherdes”
—Malaquias 3:10

mrym-Portuguese-cover

Essa é uma afirmação extremamente poderosa da parte de Deus. Em nenhum outro lugar nas Escrituras Deus nos diz para testá-Lo, exceto aqui nesse versículo. O que é isso que Deus diz que O fará abrir as janelas do céu e derramar Sua bênção sobre nós a ponto de transbordar?

“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa, e depois fazei prova de Mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.” (Malaquias 3:10)

Você vê? É o dízimo. Dizimar fará com que o Senhor abra as janelas do céu e Suas bênçãos chovam sobre sua vida!

Muitos Cristãos se esquivam de aprender tudo que podem a respeito desse importante princípio, mas, por favor, não perca essa chance! Deus quer que nós sejamos fiéis e obedientes em todas as coisas, e quando negligenciamos ou escolhemos ser desobedientes em uma área das nossas vidas, isso afetará as outras áreas também.

O que exatamente é o dízimo? É devolver ao Senhor dez por cento das primícias de sua renda.

Nossa sociedade, como um todo, é ignorante desse princípio. Muitas igrejas falham com seus membros, negligenciando em ensiná-los sobre a importância do dízimo. Por que isso é tão sério? Porque Deus se ira quando falhamos em devolver a Ele o que Lhe pertence por direito. “Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem.” (Salmos 24:1). Dizimar é um ato de adoração.

Há uma grande quantidade de Cristãos que, ou estão vivendo na miséria, ou estão tão endividados quanto os descrentes. Mas Deus deseja fazer de cada crente “a cabeça e não a cauda”. Ele quer que você esteja “acima” e não “embaixo” de dívidas ou qualquer outra coisa que irá governar ou controlar a sua vida. (Deuteronômio 28:13). Nos foi dito “Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros...” (Romanos 13:8). “O rico domina sobre o pobre; quem toma emprestado é escravo de quem empresta.” (Provérbios 22:7)

A maioria dos Cristãos nos Estados Unidos é tão ricamente abençoada, especialmente se olharmos para outras nações e o nível de pobreza em que a maioria das pessoas no mundo vive. Nós gastamos nossos ganhos em prazeres enquanto nossas igrejas, missionários e ministérios lutam para conseguir sobreviver. Por quê? Porque tentamos reter aquilo que não é nosso por direito.

Nós recebemos, mas doamos pouco. “Lembrem-se: aquele que semeia pouco também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura também colherá fartamente. Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.” (2 Coríntios 9:6-7).

Nós pedimos e ficamos imaginando por que não recebemos. “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.” (Tiago 4:3).

Deus queria abençoar Seu povo, mas Ele não o fez porque não estavam dispostos a doar para a Sua casa do tesouro. Ele lhes disse em Ageu 1:6-7,

“Vocês têm plantado muito, e colhido pouco. Vocês comem, mas não se fartam. Bebem, mas não se satisfazem. Vestem-se, mas não se aquecem. Aquele que recebe salário, recebe-o para colocá-lo numa bolsa furada. Assim diz o Senhor dos Exércitos: “Vejam aonde os seus caminhos os levaram!””.

“’Vocês esperavam muito, mas, eis que veio pouco. E o que vocês trouxeram para casa eu dissipei com um sopro. E por que o fiz?’, pergunta o Senhor dos Exércitos. ‘Por causa do meu templo, que ainda está destruído enquanto cada um de vocês se ocupa com a sua própria casa.’” (Ageu 1:9).

Compreendendo o Dízimo

É irônico que tantos Cristãos acreditem erroneamente que não têm condições de dizimar e abençoar a Deus através de ofertas. A verdade é que eles estão simplesmente presos em um círculo vicioso que só obediência e fé podem curar. Eles não têm condições de doar porque roubam a Deus para pagar aos homens, e assim roubam de si mesmos as suas bênçãos!

Na realidade, quando estamos em profunda miséria é que o Senhor nos pede para doarmos. Os Cristãos da Macedônia compreendiam e aplicavam esse princípio de doar: “No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade.” (2 Coríntios 8:2). Parece um pouco com muitos de nós, não?

Por que 10%?

A palavra dízimo em hebraico é “ma’asrah”, que se traduz como “um décimo”. Então todas as vezes em que Deus fala conosco em Sua Palavra e diz para “dizimarmos”, Ele está dizendo para darmos a Ele um décimo.

Por que eu devo dar meu dízimo primeiro, antes de pagar as minhas contas?

Esse é o princípio dos “primeiros frutos” do nosso labor. Deuteronômio 18:4 nos diz, “Vocês terão que dar-lhes as primícias do trigo, do vinho e do azeite, e a primeira lã da tosquia das ovelhas.”. Em Êxodo 34:24 e 26, Deus diz, “Expulsarei nações de diante de você e ampliarei o seu território... Traga o melhor dos primeiros frutos da terra ao santuário do Senhor, o seu Deus...”.

Isso também é confirmado no Novo Testamento quando Jesus disse em Mateus 6:33, “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.”

Onde eu devo dar o dízimo?

Malaquias 3:10 nos diz, “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa, e depois fazei prova de Mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.”

Sua casa do tesouro é onde você é espiritualmente alimentado. Muitos Cristãos cometem o erro de doar onde eles não são espiritualmente alimentados, mas preferem doar onde eles veem que há uma necessidade – mas isso é loucura. É como ir a um restaurante, pedir uma refeição, mas quando chega a conta você diz ao atendente que prefere doar para o restaurante no fim da rua que não está indo muito bem!

Se você está frequentando uma igreja onde está sendo espiritualmente alimentado, então você deveria estar dizimando, no mínimo, um décimo de sua renda para a sua igreja local. Isso significa que se você frequenta uma igreja e se sente guiado a semear financeiramente em nosso ministério (ou qualquer outro ministério ou missão), então essa seria uma oferta “acima e além” do seu dízimo. Não queremos que você roube da sua igreja para semear em nosso ministério “pois isso não seria proveitoso para vocês.” (Hebreus 13:17).

No entanto, muitos dos membros de nossa irmandade não estão frequentando uma igreja (por várias razões) e estão sendo nutridos através do dízimo do nosso ministério, por estarem semeando na restauração de casamentos, já que é aqui que eles estão sendo espiritualmente alimentados.

Novamente, como estamos te encorajando ao longo de todo esse livro – busque a Deus. Isso vale para todas as coisas, inclusive suas finanças. E então seja obediente e fiel a Ele!

Não cometa o erro de seguir diligentemente todos os princípios para restaurar seu casamento e ainda assim falhar no do dízimo, e, no final, ver seu casamento não restaurado porque você está roubando a Deus.

Lembre-se, Malaquias 3:8-9 diz, “Roubará o homem a Deus? Contudo vocês estão me roubando. E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos? ’ Nos dízimos e nas ofertas. Vocês estão debaixo de grande maldição porque estão me roubando; a nação toda está me roubando.”

Mas desde que não estou debaixo da lei e vivo pela graça, 10% não é mais requerido, é?

A graça de Deus garante dar mais, não menos. Quando experimentamos o Seu perdão, Sua misericórdia, Sua compaixão e o Seu sacrifício do Seu sangue derramado pelo qual nos tornamos participantes de Sua glória, aumenta nosso desejo de dar mais, certamente não menos.

“...Vocês receberam de graça; deem também de graça.” (Mateus 10:8)

“Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará com ele, e de graça, todas as coisas?” (Romanos 8:32)

Entretanto, “...aquele que semeia pouco também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura também colherá fartamente.” (2 Coríntios 9:6)

Mas se temos uma mente dobre e não acreditamos realmente que Deus proverá para nós, “não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa”. Quando nos agarramos ao que temos para tentar cuidar de nós mesmos, nunca veremos o maravilhoso poder de Deus a nosso favor.

O desejo de Deus é derramar Seu poder e Suas bênçãos em nossas vidas. Quando damos o dízimo estamos sendo obedientes. Mas quando, por total gratidão e adoração, damos ofertas além do que nos é ordenado, estamos verdadeiramente abrindo a porta para que Deus derrame Suas bênçãos e realize o Seu deleite nas nossas vidas.

Sabemos que Ele “é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós.” (Efésios 3:20)

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.” (Mateus 6:33) Nós tomamos Deus por Sua Palavra ou não?

Princípios da Administração

Como vimos, o dízimo é um princípio importante na Bíblia. Deus espera que dizimemos de volta para Ele uma porção do que Ele, tão generosamente, tem nos dado. De fato, tudo que Ele nos dá ainda pertence a Ele — somos mordomos em quem Ele confiou para cuidar da Terra e tudo que nela há. Como lidamos com o que nos foi confiado por Ele — nosso dinheiro, nossos talentos, nosso tempo e nossa família — demonstra a nossa obediência à Sua Palavra, nossa confiança em Sua promessa de prover, e, mais importante, nossa fé nEle.

A forma como você vê e lida com suas finanças é fundamental para o seu crescimento Cristão, e compreender os princípios de Deus sobre mordomia irá capacitá-lo para amadurecer em sua caminhada espiritual e herdar as bênçãos que Ele tem para a sua vida.

Como você leu até aqui nesse livro, Deus lida com muitas áreas em nossas vidas que indiretamente afetam nosso casamento. Não basta se concentrar exclusivamente em princípios sobre o casamento, mas, novamente, Deus está usando essa provação em seu casamento para transformar você mais à Sua imagem enquanto te afasta da destruição do mundo e te mostra o caminho para a vida.

As riquezas de Deus não são para nos “tornar ricos” à maneira que o mundo busca riquezas, mas, ao contrário, Suas bênçãos são parte da nossa herança. Deus quer que prosperemos (Jeremias 29:11) contanto que Ele saiba que usaremos nossa herança com sabedoria, não permitindo que a prosperidade nos traga ruína. Dar um carro para uma criança que é jovem demais é mais do que certo que acabará em tragédia. Só quando um dos pais vir maturidade é que ele vai querer passar as chaves desse carro.

Deus quer que tenhamos uma atitude madura em relação ao dinheiro porque ele tem o poder de afetar nossa habilidade de tomar decisões sábias: “Duas coisas peço que me dês antes que eu morra: Mantém longe de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem pobreza nem riqueza; dá-me apenas o alimento necessário. Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: ‘Quem é o Senhor? ‘Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus.” (Provérbios 30:7-9)

Está claro, entretanto, que é o desejo de Deus abençoar Seus filhos. Aqui estão mais alguns versículos que mostram o coração de Deus em relação a você como um dos Seus filhos:

“A bênção do Senhor traz riqueza e não inclui dor alguma.” (Provérbios 10:22)

“A recompensa da humildade e do temor do Senhor são a riqueza, a honra e a vida.” (Provérbios 22:4)

“Pelo conhecimento os seus cômodos se enchem do que é precioso e agradável.” (Provérbios 24:4)

“ O fiel será ricamente abençoado, mas quem tenta enriquecer-se depressa não ficará sem castigo.” (Provérbios 28:20)

Esses versículos sustentam que há condições para as bênçãos financeiras (maturidade espiritual) e que é realmente uma condição de coração (uma ausência de ganância).

Todos nós queremos as bênçãos de Deus sobre nossa vida, mas você sabia que a maneira como você lida com suas bênçãos tem muito a ver com como você cresce no Senhor e em que grau Deus pode trabalhar em sua vida?

“Nenhum servo pode servir dois senhores; porque, ou há de odiar um e amar o outro, ou se há de chegar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom (riquezas fraudulentas, dinheiro, posses ou seja o que for em que você confie).” (Lucas 16:13).

“Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito. Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem confiará as verdadeiras riquezas a vocês?” (Lucas 16: 10-11).

Aumentar nossa capacidade de sermos usados por Deus, o que é riqueza espiritual, e obter as coisas maiores (ter o poder e a presença de Deus em nossas vidas) depende, em parte, do jeito como lidamos com nossas finanças.

Para ir além e provar isso, há cerca de 500 referências na Bíblia sobre fé e 500 sobre oração, mas há mais de 2000 versículos se referindo as nossas finanças! Além das leis espirituais que foram estabelecidas quando Deus criou o universo (veja o capítulo 1), Deus também estabeleceu leis financeiras, as quais Ele compartilhou conosco em Sua Palavra. Nos beneficiamos ao seguir as leis ou sofremos as consequências quando desobedecemos. Não importa se somos ignorantes dessas leis ou escolhemos rejeitá-las; como a gravidade, elas existem e não podem ser debatidas.

Princípio #1: Nós colhemos o que plantamos.

Um dos princípios mais importantes de mordomia é semear e colher. Para colher, precisamos primeiro semear as sementes. Há muitas Escrituras que nos dão conhecimento do assunto de semeadura e colheita. Aqui estão apenas algumas:

“Lembrem-se: aquele que semeia pouco também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura também colherá fartamente.” (2 Coríntios 9:6)

“Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão.” (Salmos 126:5)

“Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear isso também colherá.” (Gálatas 6:7)

“Quem semeia para a sua carne da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito do Espírito colherá a vida eterna.” (Gálatas 6:8)

“E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos” (Gálatas 6 :9)

Quando semeamos com entendimento desse princípio e com fé em Deus e em Sua Palavra, nós devemos ter a expectativa da colheita onde houvermos semeado! Isso é realmente animador!

Nenhum fazendeiro perderia tempo ou dinheiro semeando sementes se ele não tivesse expectativas de colher. Além disso, se ele quisesse colher uma colheita de milho, ele semearia milho. Se ele quisesse colher trigo, ele semearia trigo.

Portanto, se você quer colher bondade, semeie bondade. Se você quer colher perdão, perdoe! Se você quer colher restauração em seu casamento, então semeie restauração seja ministrando e/ou semeando financeiramente — então antecipe a colheita, já que os princípios de Deus e Suas promessas são verdadeiras e Ele é fiel!!

Podemos também acreditar na promessa de Deus de que ao semear na Sua obra estamos semeando para o nosso futuro eterno. “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.” (Mateus 6:19-21). O mais importante é que o que fazemos com nosso dinheiro aqui na Terra é uma indicação verdadeira de onde está o nosso coração.

“Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come também lhes suprirá e multiplicará a semente e fará crescer os frutos da sua justiça. Vocês serão enriquecidos de todas as formas, para que possam ser generosos em qualquer ocasião e, por nosso intermédio, a sua generosidade resulte em ação de graças a Deus.” (2 Coríntios 9:10-11).

Em outras palavras, quando Deus nos dá uma colheita abundante, não é para que sejamos egoístas e guardemos só para nós mesmos, mas para que possamos semear ainda mais no reino do céu.

Os Cristãos muito ricos hoje são os canais que mantêm os ministérios, enviam missionários para terras estrangeiras e mantêm nossas igrejas florescendo a fim de assim alcançar os perdidos do Senhor. Estes não usam suas finanças para seus prazeres, mas descobriram que ao semear nas coisas de Deus eles têm a verdadeira alegria e contentamento.

Entretanto, também devemos nos lembrar de que pobreza e prosperidade são termos relativos. O que nós chamamos de “nível de pobreza” nos Estados Unidos pareceria riqueza para outros em muitos países.

Como Cristãos, devemos encontrar contentamento em toda e qualquer situação. O apóstolo Paulo nos lembra em Filipenses 4:12: “Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade.”

Na verdade, há horas em que o Senhor chama Seus santos ao sofrimento, ao martírio, ou à pobreza (como a viúva pobre que deu as duas moedas — tudo que ela possuía) para glorificar a Si mesmo. Quando Ele nos chama para a pobreza ou sofrimento, entretanto, Ele nos dá a graça de suportar com alegria e ações de graça — sem resmungos ou reclamações.

Embora não possamos compreender todas as razões de Deus ao permitir a pobreza, podemos confiar que Seus caminhos são mais altos do que os nossos caminhos. “No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade. Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam e até além do que podiam.” (2 Coríntios 8:2-3). Às vezes aqueles que sofrem as maiores necessidades se tornam os mais generosos! E, para alguém que ama o dinheiro, a perda das riquezas pode ser uma das formas de Deus nos quebrar, nos atrair para perto Dele e nos ensinar a confiar somente nEle.

No entanto, em nosso país, pobreza e dívidas geralmente não atraem o interesse de família, amigos e vizinhos. Se temos sido abençoados com muito devemos testemunhar aos outros, não pregando a eles com autojustiça ou condenando o seu estilo de vida, mas permitindo que Eles “leiam” Deus em nossas vidas! “Vocês mesmos são a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos.” (2 Coríntios 3:2). Devemos exibir os frutos de quem é nosso Pai. Devemos permanecer em paz em meio aos problemas, abençoar nossos inimigos, perdoar livremente e caminhar seja em qual for a prosperidade que o Senhor nos permitir. Nossa generosidade deve glorificá-Lo e deve ser a própria bondade que Deus usa para atrair outros para Si!

“... e sempre repitam: “O Senhor seja engrandecido! Ele tem prazer no bem-estar do seu servo”.” (Salmos 35:27).

Princípio #2: Deus é possuidor de tudo.

Salmos 24:1 diz simplesmente, “Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe...”. Tudo que temos pertence ao Senhor.

“Teus, ó Senhor, são a grandeza, o poder, a glória, a majestade e o esplendor, pois tudo o que há nos céus e na terra é teu.” (1 Crônicas 29:11).

“‘Tanto a prata quanto o ouro me pertencem’, declara o Senhor dos Exércitos.” (Ageu 2:8)

Tudo que possuímos, seja muito ou pouco, está emprestado conosco — nós somos mordomos. De novo, é a forma como lidamos com o que nos é confiado (como explicado na parábola em Lucas 16) que irá determinar se Ele nos abençoará com mais ou se tirará até o que já temos.

Princípio #3: Deus provê tudo.

“Não digam, pois, em seu coração: ‘A minha capacidade e a força das minhas mãos ajuntaram para mim toda esta riqueza’. Mas, lembrem-se do Senhor, o seu Deus, pois é ele que dá a vocês a capacidade de produzir riqueza, confirmando a aliança que jurou aos seus antepassados, conforme hoje se vê. Mas, se vocês se esquecerem do Senhor, o seu Deus, e seguirem outros deuses, prestando-lhes culto e curvando-se diante deles, asseguro-lhes hoje que vocês serão destruídos.” (Deuteronômio 8:17-19).

“Mas quem sou eu, e quem é o meu povo para que pudéssemos contribuir tão generosamente como fizemos? Tudo vem de ti, e nós apenas te demos o que vem das tuas mãos. Diante de ti somos estrangeiros e forasteiros, como os nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança. Ó Senhor, nosso Deus, toda essa riqueza que ofertamos para construir um templo em honra ao teu santo nome vem das tuas mãos, e toda ela pertence a ti.” (1Crônicas 29:14-16).

“O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus.” (Filipenses 4:19)

Seja o seu ganho vindo do seu trabalho, ou tenha ele sido dado a você, quem é a Fonte de tudo que você tem? Deus.

Princípio #4: Deus quer as primícias do que Ele te dá.

Muitos cristãos doam às suas igrejas e outras instituições de caridade, mas não são abençoados porque não compreendem esse princípio tão importante. Deus deixa claro, ao longo de toda a Bíblia, que Ele deseja ser o primeiro em todas as áreas da sua vida.

Se você paga as suas contas, antes de devolver as primícias para Ele, Deus não é o primeiro em sua vida e você terá perdido a benção. Nós aprendemos no capítulo 5, “Seu Primeiro Amor”, que Deus remove de nós o que colocamos acima Dele.

“Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão plenamente cheios, e os seus barris transbordarão de vinho.” (Provérbios 3:9) O princípio é claro: nós devemos dar a Deus em primeiro. 

Frequentemente, quando os Cristãos começam a considerar o dízimo, não conseguem ver como poderão dizimar já que mal estão tendo o suficiente para fazer face às despesas. Isso é porque também não têm conhecimento do que vem acontecendo com suas finanças. Em Ageu 1:9 diz que Deus “dissipa com um sopro” o que você traz para casa e também permite que o devorador venha e leve o que era Dele de direito.

“Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova”, diz o Senhor dos Exércitos, “e vejam se não vou abrir as janelas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las. E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias 3:10-11)

Todos os meses, Cristãos que não entregam o dízimo encontram despesas “inesperadas” como consertos ou outras necessidades com as quais eles não contavam. Mas é somente porque não conhecem esse princípio. Porque se Deus for o primeiro em sua vida — primeiro em seu coração, primeiro no seu dia e primeiro em suas finanças — então (e somente então) Ele irá “abrir as janelas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las” e fielmente “por causa de vós repreenderá o devorador”.

Aqueles que se humilham dando a Deus seus dízimos e ofertas se deleitarão em abundante prosperidade! “Mas os humildes receberão a terra por herança e desfrutarão pleno bem-estar.” (Salmos 37:11). A Palavra Dele diz, “O infortúnio persegue o pecador, mas a prosperidade é a recompensa do justo.” (Provérbios 13:21).

Princípio #5: O que você faz com as primícias determina o que Deus fará com o resto.

Quando Deus pediu a Abraão o seu filho, ele não o negou; como resultado, Deus disse-lhe “Agora sei que você teme a Deus, porque não me negou seu filho, o seu único filho... por ter feito o que fez, não me negando seu filho, o seu único filho, esteja certo de que o abençoarei...” (Gênesis 22: 12,17).

Deus disse ao exército que tomou Jericó que eles não deveriam tomar o espólio da primeira cidade e assim Ele lhes daria o resto. Deus sempre quer ver se nós O colocaremos em primeiro para provar nossos corações. “O crisol é para a prata e o forno é para o ouro, mas o Senhor prova o coração.” (Provérbios 17:3). No entanto, um dos soldados, Akin, não resistiu e tomou parte do espólio. Quando chegou a hora de tomarem a próxima cidade, Ai, em uma batalha que era muito menor e deveria ter sido facilmente vencida, eles foram derrotados. (Leia Josué 6)

Esse princípio não é só para suas finanças ou sua restauração, mas para todas as áreas da sua vida. Quando falhamos em colocar Deus em primeiro, estamos roubando Dele aquilo que Ele nos pediu que entregássemos. Ele não quer outros deuses diante Dele: nosso dinheiro, nossos cônjuges, nossos casamentos, nossas carreiras. O que você fará com as primícias de tudo determinará o que Deus fará com o resto — se irá abençoar ou amaldiçoar.

Você está em uma crise financeira?

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.” (Mateus 6:33).

Você buscou ao Senhor para as suas finanças? Em Filipenses 4:19, a Bíblia ensina claramente que o Senhor é Aquele que irá suprir todas as nossas necessidades. Entretanto, se nós levarmos nossas necessidades aos outros ao invés de buscar ao Senhor — se falharmos em buscá-Lo primeiro — então “todas essas coisas” não nos serão acrescentadas.

Você está seguindo os princípios do Senhor para segurança financeira? As Escrituras nos ensinam que temos que dar o dízimo para sermos “plenamente cheios” e “transbordarmos”. (Provérbios 3:9-10). Somos também encorajados a “semear” se queremos colher. (Gálatas 6:7. 2 Coríntios 9:6). Você tem semeado e sido fiel no dízimo? Separe um tempo para ler e reler essas passagens das Escrituras e então ore para saber como o Senhor deseja mudar a forma como você tem confiado nEle enquanto cumpre Seu mandamento que é dado a todos os crentes, começando por dar uma parte de volta a Ele.

Se você é fiel no dízimo e ainda assim está em uma crise financeira, certifique-se de estar seguindo todas as leis de Deus. Há muitas referências nas Escrituras sobre ações que levam à pobreza, incluindo não pedir (Tiago 4:2), pedir pelos motivos errados (Tiago 4:3), adultério (Provérbios 6:26), abuso da bebida e glutonaria (Provérbios 21:17, Provérbios 23:21), preguiça (Provérbios 10:4, Provérbios 14:23, Provérbios 28: 18-20), não aceitar repreensão ou correção (Provérbios 13:18), tomar decisões precipitadamente (Provérbios 21:5), oprimir os pobres (Provérbios 22:16) ou falhar em honrar sua esposa (1 Pedro 3:7) e, claro, reter o que pertence, de direito, a Deus.

Enquanto estamos devolvendo a Deus, em dízimos e ofertas, também precisamos garantir que estamos dando às nossas esposas a honra que elas merecem. “Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e coerdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.” (1 Pedro 3:7).  Sua esposa tem procurado viver dentro das suas condições, mas você é irresponsável com seus gastos? Você envergonhou sua esposa diante de outras pessoas ou fez piadas sobre como ela gasta? Assegure-se de que seu coração é puro e fiel à sua esposa de todas as formas.

Quando Erin estava passando por uma ruína financeira, como mãe solteira de quatro crianças pequenas, ela aprendeu o princípio do dízimo. Ainda que estando perto da linha da pobreza, ela começou a doar o dízimo pela primeira vez em sua vida (tendo sido criada como Católica ela nunca tinha nem ouvido falar desse princípio). Ela não só começou a semear ao dar o dízimo de dez por cento da magra quantia que recebia, mas também começou a semear na vida de mulheres que estavam experimentando a tragédia na vida delas (falando com elas sobre a capacidade de Deus de restaurar seus casamentos).

O coração obediente de Erin, que aprendeu a dar o dízimo ao Senhor, estabeleceu um padrão em nosso lar enquanto eu estava fora. Deus a honrou me guiando a também dar o dízimo logo depois que voltei para casa sem ela nem ter que me dizer nada sobre isso!

Homens, se você ainda está lutando com esse princípio, pode ser que te ajude saber que Deus é o dono de tudo que possuímos, e é só por causa Dele que nos foi dado a “capacidade de produzir riquezas, confirmando a aliança” conosco. (Deuteronômio 8:18). Portanto você precisa ter certeza de que dá a Ele primeiro para confirmar que Ele é o primeiro em sua vida!

Você servirá a Deus ou a mamom (dinheiro)?

Muitos se desviam de ensinar sobre doar por causa dos abusos e porque não querem que pareça que estão só “atrás de dinheiro”, mas isso não elimina a verdade da mensagem. Busque você mesmo pela verdade. Teste-O para ver se Ele é fiel à Sua promessa. Dê primeiro a Deus, entregue o dízimo na sua casa do tesouro (o lugar onde você é espiritualmente alimentado), e veja se sua vida muda e você é abençoado em todas as áreas de sua vida.

Deus é quem provê para nosso ministério e nossa família. Nós semeamos na vida daqueles que estão com o coração partido e aguamos com suporte contínuo através da nossa irmandade, mas é Deus quem traz o crescimento. Não buscamos ajuda em ninguém para suprir nossas necessidades, mas somente em Deus.

Falhar em ensinar propriamente um princípio tão importante seria negligenciar o alimentar as ovelhas e o pastorear aqueles que estão vindo até nós em busca de ajuda, apoio e direção.

Jesus disse para alimentarmos Suas ovelhas, e Deus disse em Oséias que Seu povo perece por falta de conhecimento (Oséias 4:6). Muitos que vêm até nós, ou são novos Cristãos ou têm frequentado uma igreja onde esse princípio, e outros princípios de restauração, não são ensinados. Nosso trabalho é fazer discípulos para o Senhor, dar a eles as ferramentas que eles precisam para transformar suas vidas.

Para aqueles de vocês que nunca deram o seu dízimo a Deus, que Ele possa provar-lhes que você pode fazer mais com 90% da sua renda do que com os 100% que você costumava controlar. Vai ser preciso um passo de fé, mas, exatamente como você escolheu restaurar seu casamento ao invés de seguir em frente, sua vida nunca mais será a mesma.

Para aqueles de vocês que doam (mas Deus não é o primeiro), que você possa reorganizar suas prioridades em cada área de sua vida para mostrar que Deus tem o primeiro lugar.

Deus é um Deus que anseia por ser gracioso conosco; Ele anseia para nos abençoar! “... e sempre repitam: “O Senhor seja engrandecido! Ele tem prazer no bem-estar do seu servo””. (Salmos 35:27)

Deixe-me concluir com essa maravilhosa promessa: “Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão.” (Salmos 126:5) Aleluia!!

Compromisso pessoal: de doar.  “Baseado no que aprendi na Escritura, comprometo-me a confiar e abençoar ao Senhor com minhas finanças. Eu buscarei a Ele no que diz respeito a como e onde dar o dízimo. Eu semearei na restauração de casamentos compartilhando boas notícias sobre restauração com aqueles que Deus trouxer à minha vida e doando financeiramente enquanto Deus guia e fielmente provê para mim.”

Por favor, comece a DOCUMENTAR, tendo o SENHOR em mente, sobre o que você aprendeu todos os dias pelos próximos 30 Dias para "Restaurar Seu Casamento".

Quanto mais você derramar o seu coração nos formulários, mais Deus e nós poderemos ajudá-lo. Esses formulários o ajudarão a manter o histórico. CLIQUE AQUI